O quintal do apartamento

Se pensarmos na expressão “charme urbano”, é possível que a cidade de Toronto não surja naturalmente na nossa lista mental. De fato, o charme de Toronto, a maior cidade do Canadá, é melhor definido como transurbano – com canteiros, jardins e bosques que fazem parte do tradicional cotidiano de prédios, carros e gente em movimento das metrópoles.

Por exemplo: quem mora em um prédio de 40 andares em uma área central de Toronto pode (sempre que o tempo permitir) fazer sua caminhada diária por trilhas que se estendem ao longo dos cursos d’água que cruzam a cidade. Dentro desses espaços, seria possível dizer que se está fora da cidade – a não ser pelo fato de que, ao menos em Toronto, o conceito de urbano compreende ter em si esses grandes quintais que são, cotidianamente, usados por pessoas com seus cães, ciclistas e corredores.

Claro que nesses bosques urbanos, embora não pareça haver qualquer sensação de insegurança, há sinais de uma existência que depende de decisão política e comunitária. Por vezes encontra-se lixo, ou mau cheiro, ou, se houver qualquer parede, pichação. Mas é evidente que existe vontade, planejamento e investimento, como mostra o caso do Centro Ambiental Evergreen Brick Works. Essa iniciativa, a partir de parceria público-privada, iniciou a recuperação de uma grande área ocupada por uma olaria que encerrou suas atividades em 1984. Em 2010, o Centro passou a funcionar ao longo do ano todo, oferecendo trilhas, espaço e atividades gratuitas para crianças, feira de produtores, rinque de patinação no gelo e atividades permanentes de recuperação e conservação ambiental.

Bookmark and Share

Postado em 14 de setembro de 2015      nenhum comentário

Categoria: Consciência Ambiental, Cultura   

Faça um comentário